Monday, June 05, 2006

A Cidade Proibida

É UM VIAJANTE QUE CHEGA E PÁRA
ENCOSTA-SE A UMA ÁRVORE NO CAMINHO
COMTEMPLA AO LONGE O BRILHO
DOS TELHADOS NO FIM DA ESTRADA
OUVE A VIDA FERVILHAR NO VENTO
IMAGINA OS BRAÇOS QUE O ACOLHERÃO
ACOMPANHA UMA CANÇÃO COM OS LÁBIOS
QUASE PROVA O TRAVO DO VINHO ROXO
CRUZA A LINHA DAS RUAS COM SEUS PÉS
PROCURA A FONTE NO CENTRO DA PRAÇA
SENTE A PRESSÃO DAS MURALHAS NOS SEUS DEDOS
CONHECE ATÉ O SEGREDO DESSES PORTÕES

E MESMO ASSIM NÃO ENTRA.


Pedro furtado

4 Comments:

Anonymous cris said...

gosto muito

3:54 PM  
Anonymous gabi said...

foi publicado na RESSACA!!!!!!!!!!!!!!!!!!

10:00 PM  
Anonymous Miru said...

esse poema...

8:56 AM  
Blogger Lucifer_Sam said...

O ANO DO MACACO E A CIDADE PROIBIDA VALEM O BLOG, O RESTO ROGER WATERISSE, "PAPAI MORREU NA GUERRA, MAMÃE ME ODEIA, VOU FICAR AQUI FUMANDO CAMELS E ODIANDO TODO MUNDO"
FRESCURA, VEADAGEM...
A PROPÓSITO
CHUPA!

12:35 PM  

Post a Comment

<< Home